“Mozart Apaga a Luz” conta a história do compositor austríaco

Músicas, projeções em vídeo, manipulações de bonecos e acrobacias ajudam a contar uma biografia bem humorada


Espetáculos & Cia

17/06/11 11:14 - Atualizado em 17/06/11 11:17

mozart apaga a luzMozart para crianças. Músicas, projeções em vídeo, manipulações de bonecos e acrobacias fazem parte do espetáculo infantil “Mozart Apaga a Luz”, que mistura a biografia do compositor e frutos da imaginação com 20 de suas composições.

Até o dia 31 de julho em cartaz, será a apresentada a peça escrita pela dramaturga Christine Röhrig, dirigida Alvise Camozzi e representada Daniel Maia, que faz o papel de Mozart.

A história do compositor austríaco, cuja fama alcançou séculos, ganha traços da commedia dell'arte e de desenhos animados. Atrapalhado e genial, Mozart precisa decifrar um enigma, com a ajuda de Papageno, personagem do clássico “A flauta mágica”. Daniel Maia conta que o espetáculo acontece com Mozart já morto e os personagens da vida dele aparecem para lembrá-lo que ele morreu e precisa simplesmente apagar a luz. “Ele morreu muito cedo, com 35 anos e  era muito afetuoso com a irmã, com os pais, e essas figuras aparecem no espetáculo. A Nábia Villela faz a mãe do Mozart e faz uma musa, uma cantora de ópera, o Fábio Caniatto faz o Papageno, o personagem da flauta mágica, que também o ajuda a lembrar. Ele era muito afetuoso com essas figuras todas e com o pai, a mãe e a irmã, que aparecem e o chamam para descansar. E ele diz que não pode descansar e que tem que fazer uma coisa muito importante que ele não sabe o que é e o Papageno depois ajuda”.

A genialidade precoce, as viagens rocambolescas pela Europa, os amores, as rivalidades, e a comovente relação com a música, o espetáculo “Mozart Apaga a Luz”, aborda todos esses aspectos do compositor austríaco, segundo o ator e diretor musical Daniel Maia. “Eu fui convidado inicialmente para fazer a direção musical do espetáculo e de repente o diretor do espetáculo teve a ideia de me convidar para fazer o próprio Mozart. A experiência foi incrível porque o Mozart é realmente um grande gênio, um grande marco da música universal, e eu pude me aprofundar pesquisando a obra dele, como diretor musical pesquisei sua obra e como ator pesquisei a biografia. O texto é todo biográfico, tudo coisas que aconteceram na vida dele que a Christine colocou de uma forma muito divertida, muito bem humorada”, explica.

A produção a peça também é composta por Nábia Villela e Fábio Caniatto, que de cantar, interpretam as 20 músicas da trilha. Nos bastidores, a assinatura de Gabriel Villela nos figurinos, de Marisa Bentivegna (prêmio Shell 2010) no desenho de luz e de Marcio Vinicius no cenário.

SERVIÇO

Data: 31 de Julho de 201.

Horário: Sábado às 16h e Domingo às 15h.

Local: Teatro Vivo

Endereço: Av. Chucri Zaidan, 860 - Morumbi - São Paulo - SP

Preço: R$20
 

O cmais+ é o portal de conteúdo da Cultura e reúne os canais TV Cultura, UnivespTV, MultiCultura, TV Rá-Tim-Bum! e as rádios Cultura Brasil e Cultura FM.

Visite o cmais+ e navegue por nossos conteúdos.

Comentários

Compartilhar


relacionadas

  • Jamil Maluf recebe Roberto Sion Jamil Maluf recebe Roberto Sion

    Intérprete focaliza a obra do músico que, além de saxofonista, é arranjador, compositor, maestro e professor

  • Foto - Vinicius de Moraes Foto - Vinicius de Moraes

    O poeta e compositor Vinicius de Moraes

  • Móbile 56 | Lira de Pernambuco, Saulo Vasconcelos, Sergio Mamberti e Kobra Móbile 56 | Lira de Pernambuco, Saulo Vasconcelos, Sergio Mamberti e Kobra

    Nesta edição o compositor Lira de Pernambuco lê dois de seus poemas. Saulo Vasconcelos numa apresentação no Teatro Eva Herz canta alguns de seus sucessos. O ator Sergio Mamberti, completando 60 anos de carreira, fala sobre a peça Visitando o Sr. Green, onde se coloca questões políticas e religiosas atuais, embora o texto tenha sido esscrito em 1990. Fala que não assistiu a primeira montagem com Paulo Autran mas diz que a peça está mais focada nas questões do que a montagem anterior. Um drama que tem a leveza de comédia. O artista plástico, muralista, Kobra é entrevistado na Vila Madalena enquanto terminava o último muro do projeto "São Paulo, uma cidade ampliada". Fala de seu inicio no desenho e de todos os países onde deixou registrado o seu trabalho. O programa conta ainda com a peça " O gato e o diabo" de Jaime Joyce. O único texto infantil de Joyce foi encenado para o Festival de Teatro da Cultura Inglesa , dirigido por Naum Alves de Souza, tendo no elenco os atores William Amaral e Fabio Sposito, os dois artista brasileiros que fizeram parte durante 5 anos do Cirque du Soleil.

  • Jorge Luís Borges: A Johannes Brahms Jorge Luís Borges: A Johannes Brahms

    há quem acredite que Brahms era o compositor favorito de Borges. Outros dizem que, pelo contrário, o poeta era um cego que não se interessava por música.

  • Feito na Hora no Metrópolis (08/09/2015) Feito na Hora no Metrópolis (08/09/2015)

    Uma música vai nascer agora no estúdio do Metrópolis. Os compositores, arranjadores, instrumentistas... Ricardo Herz e Benjamin Taubkin comandam a jam session. Esse é o espirito também do projeto feito na hora. Amanhã eles estarão no Sesc Pinheiro improvisando para o público.